quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Por um caminho adiante

Hieronymus Bosch - The Trees Have Ears and the Field Has Eyes or The Forest that Hears and the Field that Sees (c. 1500, caneta e tinta castanha; altura: 20.2 cm, largura: 12.7 cm)


MEDITANDO

Quantas vezes, vou só, por um caminho adiante,
A meditar nas cousas.
E meditando, eu torno-me distante
Das aparências mentirosas.

Meditar é subir àquela altura,
Onde a gota de orvalho é um astro e alumia;
E onde é perfeita a mística alegria
A humana desventura.

Por isso, eu amo tanto
As horas de saudade em que medito,
E julgo ouvir misterioso canto
E me perturba a sombra do infinito.

Ouço uma voz dizer, em mim: eu sou alguém…
E sinto que essa voz não é só minha; e eu sinto
Que dimana de tudo o que me cerca e tem
Ermo perfil, nas trevas, indistinto.

Sou infinito amor, quimérica presença.
Aos meus olhos baixando, a luz do luar,
Em choro, se condensa;
E vejo a terra e o céu, como através do mar.

E transformam-se as cousas que parecem
Destroços naufragados.
Seus corpos anoitecem
E ficam-se, na sombra, a olhar pasmados.

Sempre que choro, o branco nevoeiro
As árvores apaga.
O meu riso floresce um ermo outeiro
E o meu canto, de monte em monte, se propaga.

Que estranha simpatia
Me prende às pobres cousas da Natura!
A minha dor cantando é luz; minha alegria
Incendeia a nocturna sombra escura.

E vejo a intimidade, o laço oculto,
Que as almas todas casa;
Meu coração erguendo, em sonhos, o seu vulto
É pedra, nuvem, asa.

Horas em que medito e me disperso,
Por tudo quanto existe.
Em mim, se extingue o dia do Universo
E principia, em mim, a sua noite triste.

in Fernando GUIMARÃES et al.: Simbolismo, Saudosismo e Modernismo – antologia de poesia portuguesa do século XX (Quasi Edições, 2001)


Sem comentários:

Enviar um comentário